A reorganização do proletariado sobre um novo eixo de independência de classe

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A reorganização do proletariado sobre um novo eixo de independência de classe

Mensagem por Mauro Nunes em Seg Jul 18, 2016 7:25 pm

Sobre a cisão do PSTU e as importantes questões que traz à discussão

"Reconhecer que não “que não somos os únicos revolucionários no Brasil ou no mundo” é um grande passo, à condição de que esta concepção se expresse concretamente. A Esquerda Marxista e a Corrente Marxista Internacional, a CMI, não se consideram “A Internacional”, nem mesmo o rio no qual um dia vão desaguar “todos os revolucionários” para constituir um verdadeira Internacional.
A CMI se considera marxista, revolucionária, internacionalista, reivindica Marx, Engels, Lenin, Trotsky, os 4 primeiros Congressos da Internacional Comunista e o Programa de Transição e assim se apresenta como uma tendência, com parte do movimento operário internacional. Se não temos dúvidas sobre que uma Internacional revolucionária só pode ser construída sobre a base do programa marxista, não está escrito nas estrelas que a forma desta Internacional será a que temos hoje.
Nesta longa marcha pela construção de partidos operários revolucionários e de uma verdadeira Internacional marxista incorporamos profundamente o que diz o Manifesto Comunista: “Os comunistas não formam um partido à parte, oposto aos outros partidos operários.
Não têm interesses que os separem do proletariado em geral.
Não proclamam princípios particulares, segundo os quais pretenderiam modelar o movimento operário.
Os comunistas só se distinguem dos outros partidos operários em dois pontos: 1) Nas diversas lutas nacionais dos proletários, destacam e fazem prevalecer os interesses comuns do proletariado, independentemente da nacionalidade; 2) Nas diferentes fases por que passa a luta entre proletários e burgueses, representam, sempre e em toda parte, os interesses do movimento em seu conjunto.
Praticamente, os comunistas constituem, pois, a fração mais resoluta dos partidos operários de cada país, a fração que impulsiona as demais; teoricamente têm sobre o resto do proletariado a vantagem de uma compreensão nítida das condições, da marcha e dos fins gerais do movimento proletário”.
Como bem afirmam os camaradas, o isolamento nacional é veneno para uma organização revolucionária. Se trata, portanto, de descobrir na história e na situação atual os pontos de apoio, teóricos, políticos e organizativos capazes de nos permitir assumir outra vez o lugar extraordinário que o marxismo nos assinalou na luta do proletariado revolucionário internacional contra classe parasitária burguesa para enterrar o regime da propriedade privada dos grandes meios de produção e fazer florescer uma Humanidade repleta de homens e mulheres mais geniais que Leonardo Da Vinci e Karl Marx."


http://www.marxismo.org.br/content/sobre-cisao-do-pstu-e-importantes-questoes-que-traz-discussao

avatar
Mauro Nunes
Admin

Mensagens : 82
Data de inscrição : 10/07/2016
Idade : 56
Localização : Pode me perguntar

http://formacaomarxista.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

A SIERGUÉI IESSIÊNIN

Mensagem por Mauro Nunes em Seg Jul 18, 2016 7:35 pm


Você partiu,
                 como se diz,
                                    para o outro mundo.
Vácuo. . .
             Você sobe,
                             entremeado às estrelas.
Nem álcool,
                 nem moedas.
Sóbrio.
           Vôo sem fundo.
Não, lessiênin,
                      não posso
                                     fazer troça, -
Na boca
             uma lasca amarga
                                        não a mofa.
Olho -
          sangue nas mãos frouxas,
você sacode
                  o invólucro
                                 dos ossos.
Sim,
       se você tivesse
                             um patrono no "Posto"(1) -

ganharia
            um conteúdo
                               bem diverso:
todo dia
            uma quota
                           de cem versos,
longos
          e lerdos,
                       como Dorônin(2).
Remédio?
               Para mim,
                               despautério:
mais cedo ainda
                        você estaria nessa corda.
Melhor
           morrer de vodca
que de tédio !
Não revelam
                   as razões
                                 desse impulso
nem o nó,
               nem a navalha aberta.
Pare,
        basta !
                   Você perdeu o senso? -
Deixar
          que a cal
                        mortal
                                  Ihe cubra o rosto?
Você,
         com todo esse talento
para o impossível;
                          hábil
                                  como poucos.
Por quê?
             Para quê?
                            Perplexidade.
- É o vinho!
                 - a crítica esbraveja.
Tese:
         refratário à sociedade.
Corolário:
                muito vinho e cerveja.

Sim,
       se você trocasse
                                a boêmia
                                             pela classe;
A classe agiria em você,
                                    e Ihe daria um norte.
E a classe
                por acaso
                               mata a sede com xarope?
Ela sabe beber -
                        nada tem de abstêmia.
Talvez,
          se houvesse tinta
                                    no "Inglaterra"(3);
você
        não cortaria
                          os pulsos.
Os plagiários felizes
                              pedem: bis!
Já todo
           um pelotão
                           em auto-execução.
Para que
              aumentar
                            o rol de suicidas?
Antes
         aumentar
                       a produção de tinta!
Agora
         para sempre
                           tua boca
                                        está cerrada.
Difícil
        e inútil
                  excogitar enigmas.
O povo,
            o inventa-línguas,
perdeu
          o canoro
                       contramestre de noitadas.

E levam
             versos velhos
                                 ao velório,
sucata
          de extintas exéquias.
Rimas gastas
                    empalam
                                  os despojos, -
é assim
            que se honra
                                um poeta?
-Não
        te ergueram ainda um monumento -
onde
        o som do bronze
                                 ou o grave granito? -
E já vão
            empilhando
                             no jazigo
dedicatórias e ex-votos:
                                   excremento.
Teu nome
               escorrido no muco,
teus versos,
                  Sóbinov(4) os babuja,
voz quérula
                 sob bétulas murchas -
"Nem palavra, amigo,
                               nem so-o-luço".
Ah,
      que eu saberia dar um fim
a esse
          Leonid Loengrim!(5)
Saltaria
            - escândalo estridente:
- Chega
            de tremores de voz!
Assobios
             nos ouvidos
                              dessa gente,
ao diabo
             com suas mães e avós!
Para que toda
                    essa corja explodisse
inflando
            os escuros
                            redingotes,
e Kógan(6)
               atropelado
                               fugisse,
espetando
                os transeuntes
                                      nos bigodes.
Por enquanto
                    há escória
                                    de sobra.
0 tempo é escasso -
                             mãos à obra.
Primeiro
             é preciso
                           transformar a vida,
para cantá-la -
                     em seguida.
Os tempos estão duros
                                   para o artista:
Mas,
        dizei-me,
                     anêmicos e anões,
os grandes,
                 onde,
                          em que ocasião,
escolheram
                  uma estrada
                                     batida?
General
            da força humana
                                     - Verbo -
marche!
            Que o tempo
                               cuspa balas
                                                 para trás,
e o vento
             no passado
                              só desfaça
um maço de cabelos.
Para o júbilo
                   o planeta
                                 está imaturo.
É preciso
              arrancar alegria
                                     ao futuro.
Nesta vida
                morrer não é difícil.
O difícil
           é a vida e seu ofício.


(Tradução de Haroldo de Campos)

----------------------------------------------------------------------
1. Alusão à revista Na Postu (De Sentinela), órgão da RAPP (Associação Russa dos Escritores Proletários), cujos colaboradores se mostravam muito zelosos em atacar os escritores que lhes pareciam transgredir a moral proletária.
2. Referências ao poeta soviético I.I. Dorônin (n. em 1900).
3. Hotel em que Iessiênin se suicidou.
4. O famoso cantor L.V. Sóbinov (1872-1934) foi um dos participantes
da homenagem à memória de Iessiênin, que teve lugar no Teatro de Arte de Moscou, em 18 de janeiro de 1926, quando interpretou uma canção de Tchaikóvski.
5. O papel de Loengrim, da ópera deste nome, de Wagner, constituiu um dos grandes êxitos da carreira artística de Leonid Sóbinov.
6. O crítico P.S. Kógan (1872-1932), representante da crítica mais dogmática, com quem Maiakóvski manteve freqüentes polêmicas.

publicado no livro: "Maiakóvski - Poemas"
traduzido por Boris Schnaiderman,
Augusto de Campos e Haroldo de Campos
Editora Perspectiva
avatar
Mauro Nunes
Admin

Mensagens : 82
Data de inscrição : 10/07/2016
Idade : 56
Localização : Pode me perguntar

http://formacaomarxista.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum